Cinema > Críticas > Crítica “Procurando Dory”
Enviado 29/06/2016 9:00 pm por Brigida Brito no responses

“Procurando Dory”

 

 

Título Original: “Finding Dory”

Gênero: Animação / Aventura / Comédia.

Origem: E.U.A.

Duração: 97 Minutos.

Ano de Lançamento: 2016.

Elenco: Ellen DeGeneres, Albert Brooks, Hayden Rolence, Ed O’Neill, Kaitlin Olson, Ty Burrell, Diane Keaton, Eugene Levy, Idris Elba, Dominic West, Sigourney Weaver e Willem Dafoe.

Versão Brasileira: Maíra Góes (Dory), Antônio Tabet (Hank) e Marília Gabriela (Voz do Aquário).

Roteiro: Andrew Stanton, Victoria Strouse, Bob Peterson e Angus MacLane.

Direção: Andrew Stanton e Angus MacLane.

 

 

 

Ah, me lembrei: “Oi, eu sou a Dory!

Continue a nadar. Só que dessa vez não mais para P Sherman, 42 – Wallaby, Sidney, mas sim pela Cannery Row – Monteray, California, em busca dos pais da pequena Dory. Sim, “Procurando Dory” vem para curar a nostalgia de 14 anos dos fãs de “Procurando Nemo” (2002). Dory (Ellen DeGeneres) é a combinação perfeita entre sabedoria e diversão. Não é à toa que ela, que sofre de ‘perda de memória recente’, vai estrelar a mais nova animação da Disney/Pixar, que estreia nesta quinta-feira (30) nos cinemas.

Leia também a análise de “Mogli: O Menino Lobo”, misto de animação e live action da Disney.

O filme revive o favorito de todos – o esquecido peixinho azul Dory – e ainda sobra espaço para mais personagens inesquecíveis, seus amigos Nemo (Alexander Gould) e Marlin (Albert Brooks). Juntos  eles partem em busca por respostas sobre o passado de Dory. Ela não se lembra de onde vem e nem do que aconteceu com sua família. Será que ela conseguirá se lembrar? Quem são seus pais? E onde ela aprendeu a falar Baleiês? Todas essas respostas estão presentes no filme.

A aventura começa no recife de corais e traz Dory como assistente do Tio Ray

Apesar de ser um longa tão aguardado pelo público, a história se repete. O roteiro produzido por Andrew Stanton não sofre tantas mudanças e não surpreende o espectador, caindo no mesmo martírio de muitas continuações. Mesmo o filme sendo muito mais terrestre que o anterior, poucas coisas são vistas como “novidade”. Porém, a animação consegue superar toda a mesmice e acaba por encantar a qualquer um que estiver no cinema.

Leia também a análise de “Angry Birds: O Filme”, animação baseada no jogo da Rovio Entertainment.

Os planos no fundo do mar e os cuidados com cada detalhe para transmitir veracidade não foram em vão. É claro que, além de se preocuparem com roteiro e animação, os envolvidos ainda tiveram que estudar o fundo do mar e introduzir adaptações para o filme, que são realmente fantásticas, como a pequena “Destiny” (Kaitlin Olson), o tubarão-baleia, que sofre realmente de problemas de vista, e o Hank (Ed O’Neill - na versão brasileira Antônio Tabet), um polvo que não se limita a viver apenas embaixo d’água.

Dory e Hank, que na versão brasileira é dublado por Antonio Tabet

Obviamente, a publicidade teve que entrar em ação. A grande propaganda do Monteray Bay Aquarium, local onde se passa grande parte da ação do filme, é tão exagerada que só falta aparecer uma mensagem no meio da projeção convidando o espectador para ir conhecer o lugar. Por mais que não interfira no longa, acaba apelando demais no conteúdo.

Leia também a análise de “Anomalisa”, impressionante animação em stop motion.

Mas como a pequena Dory diz: “Quando a vida decepciona, qual a solução? Continue a nadar”. Esse é o melhor conselho que Dory nunca se lembrará de ter dado. Ela pode ser distraída, mas é muito sábia. E, seguindo seus conselhos ao longo do filme, uma coisa é certa: a diversão será infinita!

Dory e sua amiga de infância Destiny (Kaitlin Olson)

Assista ao filme, mas não compre uma Dory

De acordo com a Fundação de Conservação Salve NEMO, após “Procurando Nemo” as vendas do peixe palhaço subiram 40%, mais de 1 milhão de peixes-palhaços foram retirados de seu habitat natural e colocados em aquários a cada ano. Diferentemente do peixe-palhaço, o Tang azul, ou Cirurgião-paleta, a nossa querida Dory, é incapaz de reproduzir em cativeiro.

Leia também a análise da animação “Snoopy e Charlie Brown: Peanuts, O Filme”.

A comercialização do Cirurgião-paleta pode colocar a existência da espécie em risco, assim como afetar negativamente o ambiente natural no qual vivem. O peixe-palhaço já se encontra próximo de ser uma espécie ameaçada de extinção, então, por mais que nos encantemos com os personagens da Disney, por favor, vamos tentar encontrar com a Dory e o Nemo apenas nos cinemas ou nos aquários devidamente legalizados.

Conheça outros lançamentos de junho nos cinemas.

 
Compartilhar
 
Notícias Relacionadas
 
 
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Animação Batman Ben Affleck Bradley Cooper Capitão América Charlize Theron Chris Hemsworth CHRISTIAN BALE Christopher Nolan Cinema Francês Cinema Nacional Coletiva de Imprensa Colin Farrell DC Comics Demolidor disney Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 Festival do Rio 2014 Festival do Rio 2015 Frank Miller Game of Thrones homem aranha Homem de Ferro Hulk Jennifer Lawrence Jessica Chastain Kristen Stewart Liga da Justiça marvel Michael Fassbender mulher maravilha Netflix oscar Os Vingadores pré-estreia Robert Downey Jr. Rodrigo Santoro Samuel L. Jackson star wars steven spielberg Superman Thor Tom Cruise X-Men